[1.1] Arminianismo e o Livre Arbítrio – Versículos

O Arminianismo é uma escola de pensamento soterológica, baseada sobre ideias do holandes Jacobus Arminius (1560 – 1609)1 e seus seguidores históricos, os Remonstantes. A aceitação doutrinária se estende por boa parte do cristianismo desde os primeiros argumentos entre Atanásio e Orígenes, até a defesa de Agostinho de Hipona do “pecado original.”

O arminianismo holandês foi originalmente articulado na Remonstrância (1610), uma declaração teológica assinada por 45 ministros e apresentado ao estado holandês. O Sínodo de Dort (1618–19) foi chamado pelos estados gerais para mudar a Remonstrância. Os cinco pontos da Remonstrância afirmam que:

• a eleição (e condenação no dia do julgamento) foi condicionada pela fé racional ou não-fé do homem;

• a expiação, embora qualitativamente suficiente à todos os homens, só é eficaz ao homem de fé;

• sem o auxílio do Espírito Santo, nenhuma pessoa é capaz de responder à vontade de Deus;

• a graça não é irresistível;

• os crentes são capazes de resistir ao pecado, mas não estão fora da possibilidade de cair da graça.

O ponto crucial do arminianismo remonstrante reside na afirmação de que a dignidade humana requer a liberdade perfeita do arbítrio.2

Desde o século XVI, muitos cristãos incluindo os batistas (Ver A History of the Baptists terceira edição por Robert G. Torbet) tem sido influenciados pela visão arminiana. Também os metodistas, os congregacionalistas das primeiras colônias da Nova Inglaterra nos séculos XVII e XVIII, e os universalistas e unitários nos séculos XVIII e XIX.

O termo arminianismo é usado para definir aqueles que afirmam as crenças originadas por Jacobus Arminius, porém o termo também pode ser entendido de forma mais ampla para um agrupamento maior de ideias, incluindo as de Hugo Grotius, John Wesley e outros. Há duas perspectivas principais sobre como o sistema pode ser aplicado corretamente: arminianismo clássico, que vê em Arminius o seu representante; e arminianismo wesleyano, que vê em John Wesley o seu representante. O arminianismo wesleyano é por vezes sinônimo de metodismo. Além disso, o arminianismo é muitas vezes mal interpretado por alguns dos seus críticos que o incluem no semipelagianismo ou no pelagianismo, ainda que os defensores de ambas as perspectivas principais neguem veementemente essas alegações.3

Dentro do vasto campo da história da teologia cristã, o arminianismo está intimamente relacionado com o calvinismo (ou teologia reformada), sendo que os dois sistemas compartilham a mesma história e muitas doutrinas. No entanto, eles são frequentemente vistos como rivais dentro do evangelicalismo por causa de suas divergências sobre os detalhes das doutrina da predestinação e da salvação.4

 

II PEDRO 3.9 Não retarda o Senhor a sua promessa, como alguns a julgam demorada; pelo contrário, ele é longânimo para convosco, não querendo que nenhum pereça, senão que todos cheguem ao arrependimento.

 

OBSERVAÇÃO: Os calvinistas não aceitam este versículo usado pelos arminianos, pois, segundo o calvinismo, Pedro está escrevendo para pessoas eleitas, pois ele usa a palavra “convosco”. Ele estava escrevendo para salvos.

No raciocínio calvinista, poderia existir no grupo algum eleito ou salvo que ainda não tinha se arrependido?

 

I TIMÓTEO 2.4,6  o qual deseja que todos os homens sejam salvos e cheguem ao pleno conhecimento da verdade. 6 o qual a si mesmo se deu em resgate por todos; testemunho que se deve prestar em tempos oportunos.

 

I JOÃO 2.2 e ele é a propiciação pelos nossos pecados e não somente pelos nossos próprios, mas ainda pelos do mundo inteiro.

 

JOÃO 3.16  Porque Deus amou ao mundo de tal maneira que deu o seu Filho unigênito, para que todo o que nele crê não pereça, mas tenha a vida eterna.

 

MATEUS 23.37  Jerusalém, Jerusalém, que matas os profetas e apedrejas os que te foram enviados! Quantas vezes quis eu reunir os teus filhos, como a galinha ajunta os seus pintinhos debaixo de suas asas, e vós não quisestes!

 

OBSERVAÇÃO: Para a linha arminiana o querer do homem se sobressai em relação ao querer de Deus, ou seja, Deus quer salvar, mas o homem não quer, prevalece o querer do homem.

 

TITO 2.11,12 Porquanto a graça de Deus se manifestou salvadora a todos os homens, 12 educando-nos para que, renegadas a impiedade e as paixões mundanas, vivamos, no presente século, sensata, justa e piedosamente.

 

I PEDRO 1.10,11  Por isso, irmãos, procurai, com diligência cada vez maior, confirmar a vossa eleição; porquanto, procedendo assim, não tropeçareis em algum tempo. 11 Pois desta maneira é que vos será amplamente suprida a entrada no reino eterno de nosso Senhor e Salvador Jesus Cristo.

 

MATEUS 16.24 Então, disse Jesus a seus discípulos: Se alguém quer vir após mim, a si mesmo se negue, tome a sua cruz e siga-me.

 

HEBREUS 2.9 vemos, todavia, aquele que, por um pouco, tendo sido feito menor que os anjos, Jesus, por causa do sofrimento da morte, foi corado de glória e de honra, para que, pela graça de Deus, provasse a morte por todo homem.

 

OBSERVAÇÃO: Mais uma vez, os arminianos insistem que Jesus morreu por todo homem.

 

II CORÍNTIOS 5.14 Pois o amor de Cristo nos constrange, julgando nós isto: um morreu por todos; logo, todos morreram.

 

JOÃO 6.40 De fato, a vontade de meu Pai é que todo homem que vir o Filho e nele crer tenha a vida eterna; e eu o ressuscitarei no último dia.

 

JOÃO 5.40 Contudo, não quereis vir a mim para terdes vida.

 

ATOS 7.51 Homens de dura cerviz e incircuncisos de coração e de ouvidos, vós sempre resistis ao Espírito Santo, assim como fizeram vossos pais, também vós o fazeis.

 

OBSERVAÇÃO: Para os arminianos uma das maiores provas de que o homem tem livre arbítrio é que ele pode resistir ao Espírito Santo, ou seja, o Espírito quer convencê-lo do pecado, da justiça e do juízo, mas o homem não o quer. Na linha arminiana o querer do homem prevalece sobre o querer do Espírito.

 

MATEUS 24.13  Aquele, porém, que perseverar até o fim, esse será salvo.

 

OBSERVAÇÃO: Na concepção arminiana, a perseverança cabe ao homem. Se ele quiser perseverar, persevera. Se ele quiser se desviar, se desvia. Para o arminianismo isto faz parte do livre arbítrio.

 

JOSUÉ 24.15  Porém, se vos parece mal servir ao Senhor, escolhei, hoje, a quem sirvais: se aos deuses a quem serviram vossos pais que estavam dalém do Eufrates ou aos deuses dos amorreus em cuja terra habitais. Eu e a minha casa serviremos ao Senhor.

 

APOCALIPSE 22.17 O Espírito e a noiva dizem: Vem! Aquele que ouve diga: Vem! Aquele que tem sede venha, e quem quiser receba de graça da água da vida.

 

MATEUS 18.14 Assim, pois, não é da vontade de vosso Pai celeste que pereça um só destes pequeninos.

 

LUCAS 21.19 É na vossa perseverança que ganhareis a vossa alma.

 

I TIMÓTEO 4.16 Tem cuidado de ti mesmo e do teu ensino; persevera nestas coisas; porque, fazendo isto, te salvarás, tanto a ti mesmo como aos que te ouvem.

 

II TIMÓTEO 2.12 Se perseveramos, com ele também reinaremos. Se o negarmos, também ele nos negará.

 

OBSERVAÇÃO: Os arminianos crêem que o salvo pode perder sua salvação. Somente por meio da perseverança ele a assegurará, mas, por causa do livre arbítrio, ele pode perdê-la.

 

Eis que venho sem demora; guarda o que tens, para que ninguém tome a tua coroa. Ap 3: 11

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s