Calvino e o Livre arbítrio de Adão

Introdução//ws-na.amazon-adsystem.com/widgets/q?ServiceVersion=20070822&OneJS=1&Operation=GetAdHtml&MarketPlace=BR&source=ac&ref=qf_sp_asin_til&ad_type=product_link&tracking_id=yahestdonom-20&marketplace=amazon&region=BR&placement=8532637418&asins=8532637418&linkId=EWZ6JJ6XGWSCYLTZ&show_border=true&link_opens_in_new_window=true

Este pequeno estudo não tem a pretensão de ser o único a expor a crença no livre arbítrio do homem. Baseado numa interpretação simples, coerente e lógica das escrituras bem como na avaliação da prática de nossos atos, pretendemos se forma clara explicar essa faculdade humana. Com isso, além do texto claro, iremos expor biblicamente as contradições dos raciocínios daqueles que defendem a Predestinação Absoluta.  Não iremos recorrer a compêndios mas tão somente a dicionários, bom senso, razão e um pouco de lógica. Existem por aí, explicações maçantes, extenuantes cuja extensão é maior que as escrituras no seu todo. Dizem que quanto maior a explicação, maior é a mentira.  O Homem tem que assumir suas escolhas e seus erros. Errou, arrepende-se a faz o certo.

Arrependimento é a palavra.

A palavra do homem deve ser  “Sim” ou Não”, pois o que passa disso é do maligno.

Toda grande pergunta se encerra com um simples sim ou não. Se certas doutrinas ou entendimentos apresentados contradiz a palavra ou algum atributo de D’us, é melhor se calar do que afirmar algo que, direta ou indiretamente, blasfemam contra D’us.

O Livre arbítrio está baseado no QUERER e na possibilidade real de ESCOLHA.

É comum acusarem aqueles que creem no livre arbítrio de quererem se salvar sozinhos, sem o Messias. Isso é uma falácia de má fé, uma mentira.  Por aí já se pode ter uma ideia de quem está por detrás dessa doutrina que ao mesmo tempo que “bajula” o Eterno dizendo-o Soberano, caluniam aqueles que crendo no livre arbítrio e na responsabilidade por aceitar o Messias, de quererem se salvar sozinhos.

Aceitar o Messias por livre arbítrio, significa que o homem abriu a porta para que Ele pudesse entrar, significa que teve humildade em reconhecer que precisa do Messias para se salvar.

20 Eis que estou à porta, e bato; se alguém ouvir a minha voz, e abrir a porta, entrarei em sua casa, e com ele cearei, e ele comigo “ Ap 3:20

Do mesmo modo aquele que acredita na predestinação. Terá que abrir a porta para ele entrar, senão Ele vai ficar de fora.

Como Ele e o Pai poderão fazer morada no homem se o este não abrir a porta?

“Se alguém me amar, guardará a minha palavra; e meu Pai o amará, e viremos a ele, e faremos nele morada.” (Jo 14:23)

 

1          O que é livre arbítrio?

De forma geral, a condição necessária à liberdade é o princípio da possibilidade de alternativa, de escolha. Se não há como escolher, não há liberdade, não há livre arbítrio.

Fisicamente, por exemplo, o homem não é livre para muitas leis da natureza. Não consegue ficar sem respirar, nem sem comer, a menos que escolha morrer em alguns dias ou meses. Existe uma Lei física no universo e todos estão debaixo dela.

Nessa visão os atos realizados sob a influência de uma coerção irresistível não são livres, e o agente não é moralmente responsável por eles.

 

No estudo em questão, estamos vendo se o homem possui Livre Arbítrio para aceitar ou recusar o chamado de D’us ao arrependimento e aceitar ao Messias como Salvador.

Levando em consideração que os homens morrem, a diferença está em, pela fé, aceitar ser salvo ou não.

O Homem tem livre arbítrio para aceitar, mediante a fé, ser salvo ou não pelo Messias.

A escritura, o tempo todo, fala dessa possibilidade de alternativa.

 

2          O que é fé?

FÉ (do Latim fide)[1] é a adesão de forma incondicional a uma hipótese que a pessoa passa a considerar como sendo uma verdade[2] sem qualquer tipo de prova ou critério objetivo de verificação, pela absoluta confiança que se deposita nesta ideia ou fonte de transmissão. A fé acompanha absoluta abstinência de dúvida pelo antagonismo inerente à natureza destes fenômenos psicológicos e da lógica conceitual. Ou seja, é impossível duvidar e ter fé ao mesmo tempo. A expressão se relaciona semanticamente com os verbos crer, acreditar, confiar e apostar, embora estes três últimos não necessariamente exprimam o sentimento de fé, posto que podem embutir dúvida parcial como reconhecimento de um possível engano. A relação da fé com os outros verbos, consiste em nutrir um sentimento de afeição, ou até mesmo amor, por uma hipótese a qual se acredita, ou confia, ou aposta ser verdade.[3]

3        A Conjunção  “SE”

Sei que para muitos esta explicação seria desnecessária, e antecipadamente peço desculpas, mas creiam, alguns não entendem ou dissimulam, fazem-se de desentendidos quando ao significado desta palavra.

 

“SE” : Conjunção subordinativa condicionalestabelece um sentido de condição, podendo equivaler-se a “caso não”.

Então, devido ao estado condicional, entende-se que há a possibilidade de “Sim” ou “Não”, “Aceitar” ou Não aceitar, “abrir” ou “não abrir”.

20 Eis que estou à porta, e bato; se alguém ouvir a minha voz, e abrir a porta, entrarei em sua casa, e com ele cearei, e ele comigo “ Ap 3:20

“Se alguém me amar, guardará a minha palavra; e meu Pai o amará, e viremos a ele, e faremos nele morada.” (Jo 14:23)

Essa verdade evidencia-se quando consideramos o “SE” condicional quanto à salvação (Hb 2.3; 3.6,14), como também a condição: “ao que vencer”, que aparece sete vezes em Apocalipse 2 e 3.

Sei que para muitos isso é óbvio, mas acredite, não o é para todos.

4        Um pouco de lógica básica

Lógica é uma parte da filosofia que estuda o fundamento, a estrutura e as expressões humanas do conhecimento. É a ciência do raciocínio e da demonstração. É o ramo da filosofia que cuida das regras do pensar correto, sendo, portanto, um instrumento do pensar. Está relacionada ás leis do pensamento e a arte de aplicá-las corretamente.

Lógica (do grego: logos, que significa palavra, pensamento, ideia, argumento, relato, razão lógica ou lógica do princípio) é uma ciência de índole matemática e fortemente ligada a filosofia.

Quando Messias disse: “A palavra do homem deve ser “sim” ou “não”, estava usando de lógica.

Pela lógica, uma afirmação não pode ser “falsa” e “verdadeira” ao mesmo tempo.

A lógica foi criada por Aristóteles no século IV a.C. para estudar o pensamento humano e distinguir interferências e argumentos certos e errados.

Aristóteles estabeleceu um conjunto de regras rígidas para que conclusões pudessem ser aceitas como logicamente válidas: o emprego da lógica leva a uma linha de raciocínio baseado em premissas e conclusões.

Por exemplo: se for observado que "todo ser vivo é mortal" (premissa 1), a seguir é constatado que "João é um ser vivo" (premissa 2), como conclusão temos que "João é mortal".

Desde então, a lógica Ocidental, assim chamada, tem sido binária, isto é, uma declaração é falsa ou verdadeira, “sim” ou “não”, não podendo ser ao mesmo tempo parcialmente verdadeira e parcialmente falsa. Então temos:

  • leis da identidade (A é A),
  • da não contradição (A não é B),
  • e do terceiro excluído (A é A e não pode ser B) cobrem todas as possibilidades e formam a base do pensamento lógico Ocidental.

Em outras palavras, lógica é arte que nos faz proceder, com ordem, facilmente e sem erro, no ato próprio da razão.

èObs: nesse sentido, vamos encontrar muitas contradições nas escrituras, não por parte do Eterno, mas sim pela falsa pena dos escribas, já previsto pelo profeta Jeremias.” Como, pois, dizeis: Nós somos sábios, e a lei de   יהוה   está conosco? Eis que em vão tem trabalhado a falsa pena dos escribas.” (Jr 8:8)

 

5          O livre arbítrio de Adão.

5.1         Adão tinha livre arbítrio. Indo direto ao assunto, sem dar muitas voltas, podemos afirmar que Adão tinha livre arbítrio pois de outra maneira seria impossível desobedecer uma ordem dada por יהוה  :

“”Ordenou   יהוה  D’us ao homem, dizendo: De toda árvore do jardim podes comer livremente; 17 mas da árvore do conhecimento do bem e do mal, dessa não comerás; porque no dia em que dela comeres, certamente morrerás.”” (Gen 2:16)

5.2         Calvino declara que Adão tinha Livre arbítrio.

Calvino de uma maneira mais bem elaborada, com muitas explicações também chega a conclusão de que Adão, antes do pecado, tinha livre arbítrio.

 

Calvino e o LA de Adão

  • O livre arbítrio de Adão fere, neste momento, a soberania de D’us? Não.
  • No estado original, sem desobedecer ao Eterno, Adão, caso quisesse, poderia por seu livre arbítrio comer da árvore da vida e viver eternamente. Nisso todos concordam, inclusive Calvino.
  • Entretanto, diferente do que Calvino ensina, Adão permaneceu com o livre arbítrio e poderia comer da árvore da Vida, e só não o fez porque o Eterno o expulsou do paraíso.

5.3         Adão continua a ter livre arbítrio depois da queda. O homem nunca deixou de ter livre arbítrio. Se no entendimento dos estudiosos o homem tinha livre arbítrio antes de pecar, quando era inocente, quando não sabia distinguir o bem e o mal, imagine depois de comer do fruto e ter se tornado como “D’us”, conhecendo o bem e o mal? Onde está escrito que o homem perdeu o livre arbítrio após desobedecer a D’us?

“  Então disse  יהוה  D’us: Eis que o homem se tem tornado como um de nós, conhecendo o bem e o mal. Ora, não suceda que estenda a sua mão, e tome também da árvore da vida, e coma e viva eternamente.  יהוה  D’us, pois, o lançou fora do jardim do Éden para lavrar a terra, de que fora tomado. “” (Gn 3:22-23 [ARM1967])

Essa história de que Adão depois de comer o fruto da árvore estava sob o domínio do mal é conversa mole. Depois de comer o fruto, Adão tinha muito mais autonomia par decidir pois agora “era como D’us” sabendo o bem e o mal. Antes não. Antes era inocente.

Adão não morreu por comer o fruto da árvore, mas tornou-se como “D’us”, sabendo bem e o mal. Adão veio a morrer porque D’us o impediu de ter  acesso a árvore da Vida.

Mas por quê D’us naquele momento expulsou Adão do paraíso e hoje, oferece a vida eterna a pecadores muito piores que Adão?

Se Adão tinha a possibilidade, pelo livre arbítrio, de comer da árvore da vida, porque o homem atual não o teria?

Há a necessidade do arrependimento por ter desobedecido a ordem de D’us. Alguém pode se arrepender por outrem? Arrependimento não se pode predestinar.

Esse estado de Adão, conhecedor do bem e do mal, é o mesmo estado do homem atual.

Com Adão expulso, seus descendentes não tinham a mínima chance de ter acesso a árvore da vida. Todos ficaram por milênios, na dependência de D’us liberar ou não o acesso a essa árvore. O acesso está condicionado primeiramente ao arrependimento.  Não há como se arrepender sem livre arbítrio.

 

5.4         CAIM TINHA LIVRE ARBÍTRIO. O Eterno conhece os corações. Ele sabia que Caim passava por uma prova no seu coração.

“”Então  יהוה  perguntou a Caim: Por que te iraste? e por que está descaído o teu semblante? 7 Porventura se procederes bem, não se há de levantar o teu semblante? e se não procederes bem, o pecado jaz à porta, e sobre ti será o seu desejo; mas sobre ele tu deves dominar. “”(Gen 4:6-7)

Este texto é muito interessante pois D’us conhecedor da luta dentro do coração do homem sabia o que se passava com Caim. D’us lhe disse que ele teria que proceder bem, pois caso não procedesse bem o pecado estaria a porta. E deveria dominar o seu desejo.

Embora a passagem seja clara, muitos estudiosos querem descaracterizar essa passagem como não sendo o livre arbítrio. Para isso, fazem os maiores contorcionismos de palavras e até inventam novos termos para distorcer um texto claro.

Nesse texto, ou se admite o livre arbítrio de Caim ou se admite que D’us mentiu.

 

6        Jerusalém tinha Livre Arbítrio

“ Jerusalém, Jerusalém, que matas os profetas, e apedrejas os que a ti são enviados! Quantas vezes quis eu ajuntar os teus filhos, como a galinha ajunta a sua ninhada debaixo das asas, e não quiseste! 35 Eis aí, abandonada vos é a vossa casa. E eu vos digo que não me vereis até que venha o tempo em que digais: Bendito aquele que vem em nome de יהוה. (Lc 13:34-35)

Não há como interpretar esse texto sem admitir que os filhos de Jerusalém tivessem livre arbítrio para recusar a D’us. Isso é muito claro. Note que há um confronto da Vontade de D’us com a Vontade dos filhos de Jerusalém.  “Quis eu”  versus  “e não quiseste”

Se Jerusalém não tivesse livre arbítrio o Messias estaria sendo insincero nessas palavras.

Como poderiam resistir a graça sem livre arbítrio?

2.1  O homem tem livre arbítrio – pode resistir ao Espírito Santo

  • Homens de dura cerviz, e incircuncisos de coração e ouvido, vós sempre resistis ao Espírito Santo; como o fizeram os vossos pais, assim também vós. (At 7:51)

2.2  O homem tem livre arbítrio – pode Rejeitar o próprio D’us.

  • E disse יהוה a Samuel: Ouve a voz do povo em tudo quanto te dizem, pois não te têm rejeitado a ti, antes a MIM me têm rejeitado, para eu não reinar sobre ele ... (1Sm 8:7)

Como poderiam resistir ao Espírito Santo ou a D’us sem livre arbítrio?

7        O Messias tinha Livre Arbítrio

7.1         O Messias tinha vontade própria, diferente da vontade do Pai.

  • “E, indo um pouco mais para diante, prostrou-se sobre o seu rosto, orando e dizendo: Meu Pai, se é possível, passe de mim este cálice; todavia, não seja como eu quero, mas como tu queres.” ( MT 26:39)
  • “E, indo segunda vez, orou, dizendo: Pai meu, se este cálice não pode passar de mim sem eu o beber, faça-se a tua vontade.” (MT 26:42)
  • “E disse: Aba, Pai, todas as coisas te são possíveis; afasta de mim este cálice; não seja, porém, o que eu quero, mas o que tu queres.” (MC 14:36)

Óbvio que ele tinha uma vontade e o Pai, outra. Entretanto, obedeceu ao Pai.

7.2         O Messias tinha vontade própria. Isso caracteriza o livre arbítrio.

  • Porque eu desci do céu, não para fazer a minha vontade, mas a vontade daquele que me enviou. (JO 6:38)
  • Eu não posso de mim mesmo fazer coisa alguma. Como ouço, assim julgo; e o meu juízo é justo, porque não busco a minha vontade, mas a vontade do Pai que me enviou.(JO 5:30)
  • Porque eu desci do céu, não para fazer a minha vontade, mas a vontade daquele que me enviou. (JO 6:38)

8        Vontade de Deus para com o homem, com o pecador, com ímpio.

  • Tenho eu algum prazer na morte do ímpio? diz יהוה D’us. Não desejo antes que se converta dos seus caminhos, e viva? (Ez 18:23 ACF 2007)
  • 11 Dize-lhes: Vivo eu, diz יהוה D’us, que não tenho prazer na morte do ímpio, mas sim em que o ímpio se converta do seu caminho, e viva. Convertei-vos, convertei-vos dos vossos maus caminhos; pois, por que morrereis, ó casa de Israel? (Ez 33:11)
  • Pois isto é bom e agradável diante de Dus nosso Salvador, 4 o qual deseja que todos os homens sejam salvos e cheguem ao pleno conhecimento da verdade (1 Tm 2:3-4)

 

è  Caso não fosse possível o homem se converter por seu livre arbítrio, por sua própria vontade, estaria D’us sendo sincero?

è  Deus quer que o homem se arrependa e conheça a Verdade.

è  O que estaria impedindo a vondade soberana de Deus do homem se arrepender e conhecer a Verdade?

 

9        O Livre arbítrio e o Tulip de "Calvino". (de seus discípulos)

Os cinco pontos do Calvinismo pretendem amarrar teologicamente argumentos a favor da Soberania de D’us tendo como resultado “forçado” a Predestinação Absoluta em detrimento do livre arbítrio do homem. Calvinistas honestos, que defendem a predestinação no seu entendimento bíblico, reconhecem que não há como responder textos bíblicos que dão claro entender o livre arbítrio do homem no que tange aceitar a salvação. Entretanto, aqueles mais superficiais tapam o sol com a peneira e os ouvidos a essas questões.

Abaixo, um breve ensaio que pretende demonstrar de maneira simples algumas contradições na famosa “TULIP”.

 

Calvinismo
1. Depravação Total – O calvinismo diz que o homem não regenerado é absolutamente escravo de Satanás, e, por isso, é totalmente incapaz de exercer sua própria vontade livremente (para salvar-se), dependendo, portanto, da obra de Deus, que deve vivificar o homem, antes que este possa crer em Cristo.
Comentários: • 1) Se Cristo é a Vida, como pode o homem primeiro ter que ser vivificado para depois crer e receber a Vida? (Cristo). Cristo disse:  “ E não quereis vir a mim para terdes vida.” (Jo 5:40)

Poderia o homem ir ao Cristo e falar: “olha, agora que estou vivificado vim a ti pois eu quero ter vida”?

• 2) Um homem condenado à prisão perpétua, mesmo reconhecendo que não poderá se libertar, poderá aceitar ou não a oferta de real liberdade oferecida por outrem.

O livre arbítrio é a vontade do homem. O realizar pode ser limitado ao homem, mas o querer, não.

• 4) Paulo confessou: O bem que EU QUERO não faço, mas o mal que EU NÃO QUERO vivo praticando. Pela fraqueza, pecava, mas não queria . Não era livre, mas queria ser. Não podia se livrar mas pelo seu livre arbítrio, pelo seu querer, aceitou quem poderia lhe libertar.

5) Como o homem pecador não pode querer ser salvo ou não? Pelas suas próprias forças ele reconhece que não pode se salvar, mas pode decidir se quer ser salvo ou não, se aceita o Salvador  ou não.

 

Calvinismo
2. Eleição Incondicional – O calvinismo sustenta que o pré-conhecimento de Deus está baseado no propósito ou no plano de Deus, de modo que a eleição não está baseada em alguma condição imaginária inventada pelo homem, mas resulta da livre vontade do Criador à parte de qualquer obra de fé do homem espiritualmente morto.
Comentários: • O centurião tinha fé? Estava morto ou vivo?

Em verdade vos digo que a ninguém encontrei em Israel com tamanha fé. (Mc 8:10)

• Pedro e André já estavam “vivos” quando o Messias bateu na porta e eles abriram?

Se estavam vivos precisavam da Vida?

Disse-lhes: Vinde após mim, e eu vos farei pescadores de homens. 20 Eles, pois, deixando imediatamente as redes, o seguiram.  (Mc 4:19-20)

 

Calvinismo
3. Expiação Limitada – O calvinismo diz que Cristo morreu para salvar pessoas determinadas, que lhe foram dadas pelo Pai desde toda a eternidade. Sua morte, portanto, foi cem por cento bem sucedida, porque todos aqueles pelos quais ele não morreu receberão a “justiça” de Deus, quando forem lançados no inferno.
Comentários:   Pois isto é bom e agradável diante de Dus nosso Salvador, 4 o qual deseja que todos os homens sejam salvos e cheguem ao pleno conhecimento da verdade “ (1 Tm 2:3-4) (Dois pesos e das medidas)

• “Porque D’us amou o mundo de tal maneira que deu o seu Filho unigênito, para que todo aquele que nele crê não pereça, mas tenha a vida eterna. 17 Porque D’us enviou o seu Filho ao mundo, não para que julgasse o mundo, mas para que o mundo fosse salvo por ele. “ (Jo 3:16)

• Portanto, assim como por uma só ofensa veio o juízo sobre todos os homens para condenação, assim também por um só ato de justiça veio a graça sobre todos os homens para justificação e vida. (Rm 5:18)

(no caso de expiação limitada, Cristo seria menor que Adão?)

O Messias morreu para salvar todo aquele que exercem sua vontade livre e aceitam o oferecimento de vida eterna.

 

Calvinismo
4. Graça Irresistível – O calvinismo entende que a graça de Deus não pode ser obstruída, visto que sua graça é irresistível. Os calvinistas não querem significar com isso que Deus esmaga a vontade obstinada do homem como um gigantesco rolo compressor! A graça irresistível não está baseada na onipotência de Deus, ainda que poderia ser assim, se Deus o quisesse, mas está baseada mais no dom da vida, conhecido como regeneração. Desde que todos os espíritos mortos (= alienados de Deus) são levados a Satanás, o deus dos mortos, e todos os espíritos vivos (= regenerados) são guiados irresistivelmente para Deus (o Deus dos vivos), nosso Senhor, simplesmente, dá a seus escolhidos o Espírito de Vida. No momento que Deus age nos eleitos, a polaridade espiritual deles é mudada: Antes estavam mortos em delitos e pecados, e orientados para Satanás; agora são vivificados em Cristo, e orientados para Deus.
Comentários:

• Homens de dura cerviz, e incircuncisos de coração e ouvido, vós sempre resistis ao Espírito Santo; como o fizeram os vossos pais, assim também vós. (At 7:51)

E disse  יהוה a Samuel: Ouve a voz do povo em tudo quanto te dizem, pois não te têm rejeitado a ti, antes a MIM me têm rejeitado, para eu não reinar sobre ele  ... (1Sm 8:7)

• “ 34 Jerusalém, Jerusalém, que matas os profetas, e apedrejas os que a ti são enviados! Quantas vezes quis eu ajuntar os teus filhos, como a galinha ajunta a sua ninhada debaixo das asas, e não quiseste! 35 Eis aí, abandonada vos é a vossa casa. Mt 23.37

• Mas Paulo e Barnabé, usando de ousadia, disseram: Era mister que a vós se vos pregasse primeiro a palavra de Deus; mas, visto que a rejeitais, e não vos julgais dignos da vida eterna, eis que nos voltamos para os gentios; (At 13:46 )

• Não extingais o Espírito. Não desprezeis as profecias. .(1Ts 5:19-20)

• Antes rejeitastes todo o meu conselho, e não quisestes a minha repreensão, (Pv 1:25)

• Veio para o que era seu, e os seus não o receberam. (Jo 1:11-12)

• (At 7.51; I Ts 5.19; Pv 1.23-30; Mt 23.37; 2 Pe 2.21; Hb 6.6,7; Tg 5.19)

èComo pode ser uma graça irresistível se o homem resiste, rejeita e não quer?

 

Calvinismo
5. Perseverança dos Santos – O calvinismo sustenta muito simplesmente que a salvação, desde que é obra realizada inteiramente pelo Senhor – e que o homem nada tem a fazer antes, absolutamente, “para ser salvo” -, é óbvio que o “permanecer salvo” é, também, obra de Deus, à parte de qualquer bem ou mal que o eleito possa praticar (1). Os eleitos ‘perseverarão' pela simples razão de que Deus prometeu completar, em nós, a obra que ele começou. Por isso, os cinco pontos de TULIP incluem a Perseverança dos Santos .

(1) Aqui mora o perigo dos calvinistas.

Comentários: Porque, se pecarmos voluntariamente, depois de termos recebido o conhecimento da verdade, já não resta mais sacrifício pelos pecados, mas uma certa expectação horrível de juízo, e ardor de fogo, que há de devorar os adversários. (Hb 10:26-27)

Tu, pois, filho do homem, dize aos filhos do teu povo: A justiça do justo não o livrará no dia da sua transgressão; e, quanto à impiedade do ímpio, não cairá por ela, no dia em que se converter da sua impiedade; nem o justo poderá viver pela sua justiça no dia em que pecar. Com o arrependimento do ímpio, seus pecados são perdoados, é justificado e passa a andar na justiça, mas esse estado, de estar andando na justiça, não o livra se vier novamente a cometer nova transgressão. (Ez 33:12)

 

 

10     Calvinismo - Dois pesos e duas medidas - Balanças enganosas

O estudante não pode ter medo desses “Golias” do evangelho. Toda afirmação tem que ser colocada à prova. Se for verdadeira permanece, se não, cai.

10.1.1    Dois pesos e duas medidas.  Balanças fraudulentas.

Escrituras Sagradas A interpretação Calvinista
Porque todos pecaram e destituídos estão da glória de D’us; (Rm 3:23)

 

Aqui, Todos significa:  TODOS sem exceção.

( essa interpretação favorece sua teologia)

Portanto, como por um homem entrou o pecado no mundo, e pelo pecado a morte, assim também a morte passou a todos os homens por isso que todos pecaram. (Rm 5:12) Aqui, Todos significa:  TODOS sem exceção.

( essa interpretação favorece sua teologia)

Pois isto é bom e agradável diante de D’us nosso Salvador, 4 o qual deseja que todos os homens sejam salvos e cheguem ao pleno conhecimento da verdade (1 Tm 3:4) Aqui, Todos significa:  apenas os  que estão predestinados a salvação.

( essa distorção favorece sua teologia)

Porque Deus amou o mundo de tal maneira que deu o seu Filho unigênito, para que TODO aquele que nele crê não pereça, mas tenha a vida eterna.  (Jo 3:16) Aqui, Todos significa:  apenas os  que estão predestinados a salvação.

( essa distorção favorece sua teologia)

 

Dá para levar a sério esses raciocínios tipo “dois pesos e duas medidas”?

CALVINISMO – DOIS PESOS E DUAS MEDIDAS – BALANÇAS ENGANOSAS.

 

11     A Salvação é oferecida a todos

  • Olhai para mim, e sereis salvos, vós, todos os termos da terra; porque eu sou Deus, e não há outro. (Is 45:22)
  • E o Espírito e a esposa dizem: Vem. E quem ouve, diga: Vem. E quem tem sede, venha; e quem quiser, tome de graça da água da vida. (Ap 22:17)
  • Porque isto é bom e agradável diante de D’us nosso Salvador, Que quer que todos os homens se salvem, e venham ao conhecimento da verdade. (1Tm 2:3-4)
  • Mas, a todos quantos o receberam, deu-lhes o poder de serem feitos filhos de D’us, aos que crêem no seu nome; (Jo 1:11-12)
  • Tenho eu algum prazer na morte do ímpio? diz יהוה D’us. Não desejo antes que se converta dos seus caminhos, e viva? (Ez 18:23 ACF 2007)
  • 11 Dize-lhes: Vivo eu, diz יהוה D’us, que não tenho prazer na morte do ímpio, mas sim em que o ímpio se converta do seu caminho, e viva. Convertei-vos, convertei-vos dos vossos maus caminhos; pois, por que morrereis, ó casa de Israel? (Ez 33:11)
  • Pois isto é bom e agradável diante de Dus nosso Salvador, 4 o qual deseja que todos os homens sejam salvos e cheguem ao pleno conhecimento da verdade (1 Tm 2:3-4)

12     O Livre arbítrio do homem

É muito fácil encontrar versículos nas escrituras que denotam o livre arbítrio, não com essas palavras “livre arbítrio”, mas sim com a consequência de um querer ou escolha pessoal em relação aos mandamentos de D’us. É só atentar para ações do homem em relação a D’us.  Livre arbítrio está intimamente ligado a vontade do homem.

Verbos que denotam Livre arbítrio: Querer, Aceitar, Recusar, Suplicar, Desobedecer.

Nem por isso, o homem deixa de reconhecer a soberania de D’us.

  • D’us quer alguma coisa e o homem quer outra.
  • D’us manda e o homem recusa
  • D’us pede e o homem nega
  • D’us ordena e o homem desobedece

29 Contudo, diz a casa de Israel: O caminho de  יהוה não é direito. Porventura não são direitos os meus caminhos, ó casa de Israel? E não são tortuosos os vossos caminhos? 30 Portanto, eu vos julgarei, cada um conforme os seus caminhos, ó casa de Israel, diz  יהוה. Tornai-vos, e convertei-vos de todas as vossas transgressões, e a iniquidade não vos servirá de tropeço.

31 Lançai de vós todas as vossas transgressões com que transgredistes, e fazei-vos um coração novo e um espírito novo; pois, por que razão morreríeis, ó casa de Israel? 32 Porque não tenho prazer na morte do que morre, diz  יהוה; convertei-vos, pois, e vivei.(Ex 18:29-31)

Olha só, um pedido de D’us para que os homens se convertam.

A menos que na realidade D’us não queira que se convertam, esses tem livre arbítrio.

Esse pedido a essa conversão a D’us não seria por livre arbítrio? Se D’us soberano está pedindo, óbvio que quer que se utilize o livre arbítrio.

Teria para D’us algum valor o amor de alguém que foi obrigado a aceitá-lo?

 

13     Vocação, Eleição e possível queda.

Existem grupos de irmãos, geralmente calvinistas, que acreditam que “uma vez salvo, salvo para sempre” e que é impossível àquele que aceitou o Messias, perder sua salvação. Isso se dá pelo fato de não aceitarem que possuem livre arbítrio e que, se “D’us” começou a obra, irá terminá-la. O pior de tudo, sem examinar as escrituras, ensinam aos pequeninos assim.

Entretanto, pelas próprias escrituras, podemos ver que o homem, mesmo tendo aceitado ao Messias, pode cair desse estado se não vigiar, perseverar e orar.

 

  • Portanto, irmãos, procurai fazer cada vez mais firme a vossa vocação e eleição; porque, fazendo isto, nunca jamais tropeçareis. 11 Porque assim vos será amplamente concedida a entrada no reino eterno de nosso Salvador יהושע o Messias.  (2 Pe 1: 10-11)
  • Porque, se pecarmos voluntariamente, depois de termos recebido o conhecimento da verdade, já não resta mais sacrifício pelos pecados, mas uma certa expectação horrível de juízo, e ardor de fogo, que há de devorar os adversários. (Hb 10:26-27)
  • Porquanto se, depois de terem escapado das corrupções do mundo, pelo conhecimento de יהוה e do Salvador Yaohushua, forem outra vez envolvidos nelas e vencidos, tornou-se-lhes o último estado pior do que o primeiro. Porque melhor lhes fora não conhecerem o caminho da justiça, do que, conhecendo-o, desviarem-se do santo mandamento que lhes fora dado; Deste modo sobreveio-lhes o que por um verdadeiro provérbio se diz: O cão voltou ao seu próprio vômito, e a porca lavada ao espojadouro de lama. ( 2Pe 2:20-22)
  • Porque é impossível que os que uma vez foram iluminados, e provaram o dom celestial, e se tornaram participantes do Espírito Santo, e provaram a boa palavra de D’us, e as virtudes do século futuro, e recaíram, sejam outra vez renovados para arrependimento; pois assim, quanto a eles, de novo crucificam o Filho de D’us, e o expõem ao vitupério. Porque a terra que embebe a chuva, que muitas vezes cai sobre ela, e produz erva proveitosa para aqueles por quem é lavrada, recebe a bênção de  D’us; Mas a que produz espinhos e abrolhos, é reprovada, e perto está da maldição; o seu fim é ser queimada. (Hb 6:4)
  • Como escaparemos nós, “se” não atentarmos para uma tão grande salvação, a qual, começando a ser anunciada pelo Senhor, foi-nos depois confirmada pelos que a ouviram; (Hb 2:3)
  • Porque nos tornamos participantes do Messias, “se” retivermos firmemente o princípio da nossa confiança até ao fim. (Hb 3:14)
  • Então disse יהוה a Moisés: Aquele que pecar contra mim, a este riscarei do meu livro. (Ex 32:33 [ACF2007])
  • Aquele, pois, que pensa estar em pé, olhe não caia. (1Co 10:12 [ARM1967])
  • Eis que venho sem demora; guarda o que tens, para que ninguém tome a tua coroa. (Ap 3:11 [ACF2007])

Se houvesse uma “garantia” o Messias daria esta advertência?

 

Não nos enganemos. Temos visto que o homem pode recusar a D’us, resistir ao espirito Santo, pecar contra D’us, desobedecer, etc... Mas também pode aceitar as palavras de D’us, receber o Espírito Santo e obedecer.

Na verdade, aqueles que querem abrir mão dessa decisão consciente não tem certeza em seu coração se realmente creram ou não.

Parece-nos que Pedro e os demais apóstolos acreditavam que era possível o homem perder a salvação mesmo que houvesse aceitado e confessado o salvador, bem diferente daqueles que acreditam que “uma vez salvo, salvo para sempre”.

 

14     FÉ - A Segurança do Crente

Não há segurança fora do Messias.

  • EU sou a videira verdadeira, e meu Pai é o lavrador. Toda a vara em mim, que não dá fruto, a tira; e limpa toda aquela que dá fruto, para que dê mais fruto. Vós já estais limpos, pela palavra que vos tenho falado. Estai em mim, e eu em vós; como a vara de si mesma não pode dar fruto, se não estiver na videira, assim também vós, se não estiverdes em mim. Eu sou a videira, vós as varas; quem está em mim, e eu nele, esse dá muito fruto; porque sem mim nada podeis fazer. Se alguém não estiver em mim, será lançado fora, como a vara, e secará; e os colhem e lançam no fogo, e ardem. (Jo 15:1-6)
  • Que mediante a fé estais guardados na virtude de D’us para a salvação, já prestes para se revelar no último tempo, (1Pe 1:5])
  • Mas vós, amados, edificando-vos a vós mesmos sobre a vossa santíssima fé, orando no Espírito Santo, conservai-vos a vós mesmos no amor de D’us, esperando a misericórdia de nosso Messias יהושע para a vida eterna. (Jd 1:20-21 )
  • Pois que tão encarecidamente me amou, também eu o livrarei; pô-lo-ei num alto retiro, porque conheceu O Meu Nome (Sl 91.14).
  • Tenho posto o Senhor continuamente diante de mim; por isso que ele está à minha mão direita, nunca vacilarei (Sl 16.8).
  • Porque nos tornamos participantes do Messias, se retivermos firmemente o princípio da nossa confiança até ao fim (Hb 3.14).
  • ...eu sei em quem tenho crido e estou certo de que é poderoso para guardar o meu depósito até àquele Dia (2 Tm 1.12).
  • [ יהושע ] o qual vos confirmará também até ao fim, para serdes irrepreensíveis no Dia do Messias יהושע  (l Co 1.8).

 

15     A Justiça de D'us

  • Justo é יההה  em todos os seus caminhos, e santo em todas as suas obras. (Sl 145:17)

16     O Reino dos céus se toma por violência, pela força.

  • Porfiai por entrar pela porta estreita; porque eu vos digo que muitos procurarão entrar, e não poderão. (Lc 13:24 [ACF2007])

(Porfiar: verbo intransitivo 1. Altercar; contender; disputar com afinco.2. Teimar; insistir; rivalizar.

"porfiar", in Dicionário Priberam da Língua Portuguesa [em linha], 2008 2013,  https://www.priberam.pt/DLPO/porfiar [consultado em 11-02-2016]. )

 

  • E, desde os dias de João o Batista até agora, se faz violência ao reino dos céus, e pela força se apoderam dele. (Mt 11:12 [ACF2007])
  • E desde os dias de João, o Batista, até agora, o reino dos céus é tomado a força, e os violentos o tomam de assalto. (Mt 11:12 [ARM1967]) ( mansos herdarão a terra?)
1)     Violência:

Violência é um comportamento que causa intencionalmente dano ou intimidação moral a outra pessoa ou ser vivo. Tal comportamento pode invadir a autonomia, integridade física ou psicológica e até mesmo a vida de outro. É o uso excessivo de força, além do necessário ou esperado.[1] O termo deriva do latim violentia[2] (que deriva de vis, força, vigor); aplicação de força, vigor, contra qualquer coisa.

Assim, a violência diferencia-se de força,[3] embora sejam palavras que costumam estar próximas na língua e pensamento cotidianos. Enquanto que "força" designa, em sua acepção filosófica, a energia ou "firmeza" de algo, a violência caracteriza-se pela ação corrupta, impaciente e baseada na ira, que convence ou busca convencer o outro e, simplesmente, o agride. [ https://pt.wikipedia.org/wiki/Viol%C3%AAncia]

 

2)     Violência:  vi·o·lên·ci·a

substantivo feminino:  1. Estado daquilo que é violento. 2. .Ato violento. 3. .Ato de violentar.

4. Veemência. 5. Irascibilidade. 6. Abuso da força. 7. Tirania; opressão. 8. [Jurídico, Jurisprudência]  Constrangimento exercido sobre alguma pessoa para obrigá-la a fazer um .ato qualquer; .coação.

"violência", in Dicionário Priberam da Língua Portuguesa [em linha], 2008-2013, https://www.priberam.pt/dlpo/viol%C3%AAncia [consultado em 09-02-2016].

 

Não é bem a definição que caracteriza o tipo de violência para “apoderar-se dos céus” mas dá para se ter uma ideia:

Como vimos, violência é um comportamento intencional com abuso de força.

É possível alguém usaria esse tipo de força ou violência sem o livre arbítrio?

 

 

 

 

 

 


 

Quem quiser se aprofundar ou tirar a prova visite o site abaixo:

http://www.ccel.org/ccel/calvin/institutio1/Page_133.html